Como Realizar o Impossível – [PARTE 1]

Essa foi uma palestra do meu evento em 2016 e foi inesquecível. Esse ano farei outro 10X melhor, você não é louco de perder, não é?
Vem com a gente: http://brunopinheiro.me/empreendasf-yt?utm_content=3S_N7APxNoQ

E, diferente de vocês que nasceram no mundo digital, eu nasci no mundo analógico, pré-histórico e, o veículo de comunicação que eu tive que utilizar para me comunicar com o John CasaBlancas foi um telex. Imagine vocês…
E eu, que era um sujeito muito tímido, eu me lembro quando eu era convidado para ir nas festinhas dos meus amigos na escola, no ginásio, era uma dinâmica interessante.
Era o seguinte… As meninas de um lado, os meninos do outro e aí, você tinha que convidar a menina para dançar.
Bom, eu que já tinha esse defeito de pensar grande desde pequeno, obviamente que ia tirar a mais bonita para dançar. Óbvio… Alguém vai convidar a mais feia? Não vai, né?
Obviamente, como eu era o mais feio, ela dizia ”não, não vou”!
Puta que pariu
Eu já falava ”não vou chamar mais menina nenhuma para dançar. E, aí, eu ficava do lado do DJ. Porque eu tinha que fazer uma coisa para esperar o meu pai vim me buscar.
Eu gostava de conversar, puxava conversa e ele falou: ”querido, conversar não dá! Você pode me ajudar aqui com o disco, com a luz aqui”?
Bom, resumindo, virei DJ. Aprendi a primeira lição da escola da vida. Mulher não tá nem aí para belezura, tá afim de poder, querido.
Eu era o cara mais legal da escola, eu fazia as festas mais bacanas, eu inventava as camisetas temáticas da festa.
E aí, já não tinha mais que ficar pedindo pelo amor de Deus, para me dar uma dança.
Enfim… E, nesse momento de buscar um caminho na minha vida e eu encontro essa história eu pensei: ”porque não trazer para o Brasil essa agência”?
Não tava no mapa….
E eu escrevi um telex para o cara. Agora, pense você.. Você acha que eu tinha um amigo para ligar?
O Google para procurar o telefone da Elite? Não…
Não tinha nada disso.
Mas, eu sou um sujeito observador, eu descobri que, naquela página alí, tinha um poster da agência e alí tinha um logotipo.
Tinha o endereço!
Tinha o telefone e o Telex.
Só precisei ir na loja de copiadora e mandar ampliar 10 vezes e consegui tirar o número lá.
E mandei um telex pro homem!
Se eles me responderam? Nem ele.
Uma vez, duas vezes, três vezes… Aí pensei, ”é, com o Telex, acho que essa comunicação não vai fluir muito bem”.
Vou propor uma reunião! Porque, quando tu tá F*** e não tem um tostão, pensa logo grande!
Falei: ”Vou a Nova York fazer uma reunião”. E falei: ”olha, acho que a nossa comunicação com o Telex não vai funcionar, então eu vou aí”!
Bom, cuidado com o que você pede, porque às vezes vem….
Veio a resposta… ”Seu Bellino, seu CasaBlanca está em uma business trip….”’
E eu não falava nada em Inglês.
”… e ele disse que muito prazer, vai lhe receber. Inclusive ele está viajando mas, entretempo, ele pode oferecer o irmão dele que é o diretor de franquias, para lhe atender é começar esse diálogo.”’
Falei bom, agora, eu tenho um problema. Tenho que ir até Nova York!
Agora, como vou fazer isso?
Eu tinha conhecido o diretor da DHL, que é essa empresa de remessa de transporte de documentos.
Por uma sincronicidade incrível na vida, sai uma matéria na Veja, contando a história da empresa que estava se localizando no Brasil e, o diretor presidente, estava recrutando jovens estudantes que queriam viajar e não tinham dinheiro. Pronto, já me alistei.
Eu conhecia o sujeito, fazia um par de meses, liguei pra ele e falei: ”Michel”?
”Oh, Bellino, com vai”?
Bom, resumindo, expliquei para ele, ele falou ”não se preocupa, meu amigo! tu vai ser o meu courier número 1”!
”Só tem uma moeda de troca, tu vai me arrumar convite para ir nesses desfiles das modelos”.
Já entendi que o negócio era bom!
Bom, imaginem vocês, que eu comecei a viajar para Nova York como carteiro e, por isso que visto a jaqueta, com muita honra. Eles não me pagam nada não.
E nem me dão desconto para mandar coisas. Mas, eu quero dizer para vocês que, eu não estou aqui hoje como um cara de 50 anos, bem sucedido, com uma série de histórias de sucesso para dizer como eu sou bom.
Não… Eu tô aqui reencarnando um menino de 20 anos, cheio de sonhos, que não se deixou abater simplesmente pela falta de dinheiro.
Ou pela falta do idioma, ou pela falta de vergonha.
Todos nós podemos e temos que nos dar a oportunidade de pensar, pelo menos.
Arrependa-se daquilo que você deixou de fazer, mas não pelos erros que você cometeu tentando fazer.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *